Secretaria de Fazenda e Ministério Público desarticulam esquema de sonegação em Uberlândia

Empresas alugavam máquinas de cartão de crédito de terceiros para ocultação do faturamento

imagem de destaque
Uma grande quantidade de material foi apreendida, incluindo cerca de 30 computadores
  • ícone de compartilhamento

A Secretaria de Estado de Fazenda de Minas Gerais (SEF/MG) e o Ministério Público Estadual (MPE), com apoio da Polícia Militar, desarticularam, nesta sexta-feira (27/1), um esquema de sonegação fiscal praticado por empresas de Uberlândia, no Triângulo Mineiro. A fraude consistia no aluguel de máquinas de cartão de crédito e débito de terceiros com a finalidade de ocultar faturamento das empresas.

A operação, denominada “Não Tem Preço”, teve o cumprimento de oito mandados de busca e apreensão, dois de condução coercitiva e cinco de prisão preventiva. Segundo as investigações, oito empresas estão envolvidas diretamente na fraude.

"Como as máquinas de cartão de crédito e débito pertenciam a terceiros, as vendas não saíam em nome das empresas que comercializam as mercadorias ou prestavam os serviços, possibilitando, assim, a sonegação de impostos com a ocultação de faturamento e lavagem de dinheiro de origens diversas", informou o superintendente regional da Fazenda em Uberlândia, Esly Winder Ribas Rocha.

Os mandados judiciais foram cumpridos em cinco residências, um escritório de advocacia e em duas empresas. Os cinco presos são sócios, administradores e procuradores das empresas. Uma grande quantidade de material foi apreendida, incluindo cerca de 30 computadores.

Após a análise dos dados serão identificados os terceiros que cediam os equipamentos - a legislação tributária veda tal prática - e o montante do prejuízo causado aos cofres públicos com a fraude.

As provas colhidas durante as investigações demonstram que ocorreu lavagem de dinheiro envolvendo empresas de factoring (fomento comercial), serviços de engenharia, representação comercial, comércio de madeiras e uma holding de instituições não financeiras.

A operação contou com a participação de quatro promotorias de Justiça de Uberlândia, 11 auditores fiscais da Receita Estadual e 50 policiais militares.



Últimas