Pronunciamento do governador Fernando Pimentel durante o Fórum Regional de Governo de Caratinga

  • ícone de compartilhamento
download do áudio

Bom dia a todos e a todas!

Eu quero usar uma palavra para compartilhar meu sentimento aqui hoje com vocês: alegria.

Nós já fizemos 15 fóruns regionais de governo. São 17 regiões e estamos percorrendo o Estado todo. Começamos lá em 2005 e agora já é a segunda edição. Quer dizer, nós já fizemos a primeira edição nas 17 regiões, eu vou em todas, e agora está na segunda rodada, vou em todos, e está faltando dois, esse aqui é o 15°. Então, eu vou falar aqui correndo o risco de desagradar um pouco, quem sabe, outros mineiros e mineiras que não estão presentes. Nós sempre somos muito bem recebidos em todos os lugares que vamos. Minas Gerais é uma terra hospitaleira, vocês sabem disso. Mas eu vou confessar para vocês que eu nunca fui tão bem recebido como fui aqui hoje. O Adalclever (Adalclever Lopes, presidente da Assembleia Legislativa) tinha me prevenido e falou: prepara seu coração. Lá, eles vão te emocionar. E eu de fato fiquei muito emocionado aqui hoje.

Vou contar uma história para vocês. Eu tive na vida pública pessoas que eu conheci, algumas convivo com elas até hoje, mas eu tive uma pessoa que eu tive uma relação muito forte, relação política e pessoal muito forte, que foi o ex-prefeito de Belo Horizonte já falecido, o dr. Célio de Castro. Muitos aqui já devem ter ouvido falar e muitos o conheceram pessoalmente. E o Célio me disse uma vez uma coisa que me marcou muito. Eu fui secretário junto com ele, compartilhamos o governo do Patrus Ananias, depois ele foi eleito e eu continuei como secretário dele, depois eu fui vice-prefeito com ele, fui eleito na mesma chapa dele. Ele teve um derrame, um AVC, e se afastou do governo logo no início do segundo mandato, e eu assumi e fiquei prefeito, e depois fui reeleito. Mas nessa convivência com ele uma vez ele me disse uma coisa que me marcou muito. Nós estávamos inaugurando uma escola e eu estava em clima de muita alegria, e a gente fica emocionado com as crianças. Nesse dia o Célio me falou uma coisa que sempre me marcou, e que eu me lembro muito. Ele disse assim: olha Pimentel, você vai ter uma trajetória longa na vida pública (ele era muito mais velho do que eu), você vai ter uma trajetória longa, então guarde o que eu vou lhe dizer. A vida pública tem mais dissabores do que alegrias, muito mais. Você vai ter muito aborrecimento, muita injustiça contra você, muita crítica, você vai ter momentos de muita angústia, de muita frustração. Mas de vez em quando você vai ter uma alegria – e, nesse dia, agarre essa alegria, apegue-se a ela, fique com ela, guarde no seu coração, porque ela vai ser útil, às vezes, por muito tempo. Até você ter outra mais adiante daí um mês ou dois, ou uma semana, mas você não sabe. Era esse testemunho que eu dizia ali para o Adalclever, da importância disso, porque isso é que nos move.

Nós, nenhum de nós, não estamos na vida pública para ficar rico ou famoso. A gente veio porque temos a esperança de que, com nosso trabalho, com nosso empenho, melhorar a vida das pessoas, de todas as pessoas, especialmente daquelas que mais precisam. Esse empenho, às vezes, esbarra em dificuldades. Governar não é fácil, os prefeitos aqui e as prefeitas sabem disso tão bem quanto eu, os deputados sabem disso tão bem quanto eu, as lideranças comunitárias que compartilham o nosso governo sabem disso tão bem quanto eu. Não é fácil, você esbarra em dificuldade e, muitas vezes, essas dificuldades se transformam em angústias e frustações. Enfim, faz parte da vida. É preciso ter momentos como esse, de alegria, para nos incentivar, para continuarmos trabalhando por aqueles que precisam, pelo povo de Minas Gerais, pelo povo desse país. Então, é por isso que eu queria compartilhar esse sentimento aqui.

Queria acrescentar mais uma coisa que, acredito, que vai agradar a todos. Dia 15 vamos abrir a licitação da estrada de Vargem Alegre a Revés. É uma reivindicação antiga da região. Vamos abrir a licitação, é uma obra importantíssima da região, e ainda vamos ter a alegria de neste mandato, dar início à obra.

É essa a forma de governar que temos praticado nesses três anos, superando a enorme dificuldade financeira e orçamentaria do Estado, a crise econômica, política e institucional que o país está atravessando, crise como nós nunca vimos no Estado, isso que estamos fazendo aqui hoje tem nos ajudado a atravessar, estar perto das pessoas, viajar pelo estado, dialogar com prefeitos, lideranças comunitárias, de movimentos sociais, estudantes, enfim, o povo do nosso Estado, ouvindo para governar, dialogando. Com recursos escassos, estamos passando um aperto que vocês não têm ideia. Mas o Estado está funcionando. A polícia está nas ruas, os postos de saúde estão funcionando, as escolas, com a dedicação dos professores, estão funcionando, e assim Minas Gerais vai atravessando esse mar tempestuoso e vai se saindo muito melhor, para grande orgulho dos mineiros, que estados vizinhos, que vemos em cenas lamentáveis na televisão, como o Rio de Janeiro e, há pouco tempo, o Espírito Santo. Está tudo bem, está tudo maravilhoso? Não. Mas mineiro não é de reclamar, de ficar chorando pelos cantos porque a vida está difícil. Mineiro é de acordar cedo, trincar os dentes e trabalhar. É isso que vejo aqui na região, no Vale do Aço, na Zona da Mata, no Norte, no Leste, em todas as regiões, é isso que vemos: mineiros trabalhando, confiando em Deus e no futuro, e não se deixando abater com a crise. É isso que nosso governo tem feito, com serenidade, com harmonia, mantendo o equilíbrio entre os Poderes, por isso é tão importante nossa parceria com a Assembleia Legislativa, com o Judiciário.

Ontem estávamos lá em Brasília, eu e alguns secretários, batalhando no Congresso para aprovarem uma legislação que nos permita fazer uma operação financeira que traga dinheiro para a gente acertar a folha do 13° salário. Vamos ver se Deus ajuda e a gente consegue. As cenas que a gente vê lá, aqui a gente não vê. Aqui a gente vê serenidade, trabalho, dedicação, fé em Deus.

E quero encerrar com uma palavra que está faltando no Brasil: esperança. O Brasil e Minas Gerais são muito maiores que qualquer crise. E estamos mostrando isso. Temos que ter esperança na nossa gente, na segurança pública, nos profissionais de saúde, educação, esperança de que nossa fé e trabalho nos leve para dias melhores. Tenho certeza que será assim. Com a alegria que tive aqui hoje, vou continuar trabalhando com vocês.

Muito obrigado!