Pronunciamento do governador Fernando Pimentel durante evento de lançamento da Rede Cuidar

  • ícone de compartilhamento
download do áudio

Bom dia a todos e todas!

Gostaria de fazer três registros. O primeiro é o programa propriamente dito que nós estamos lançando hoje. O Rede Cuidar inclui uma coisa que é novidade: estamos agora disponibilizando efetivamente recursos públicos para amparar entidades que já fazem o trabalho filantrópico, assistencial, mas que até então não tinham sido contempladas, não tinham sido beneficiadas, não tinham sido sequer localizadas.

E aí que vem uma segunda novidade importante. O Servas vai trabalhar, como tem feito desde o início da gestão da Carolina, em parceria, em sintonia completa com a Sedese, com a secretaria de Trabalho e Desenvolvimento social.

Os critérios, como vão ser feitos os aportes dos recursos, tudo isso seguirá a lógica das políticas públicas que foram construídas ao longo da nossa caminhada, que não começou agora. Não começou nesses dois, três anos que nós estamos no governo. Começou lá atrás, começou muito antes do movimento de creches, que o André Quintão foi pioneiro, junto com a Rosilene nessa caminhada. Aprendemos muito e agora estamos tento a oportunidade, graças à generosidade do povo mineiro que nos colocou aqui, estamos tendo a oportunidade de praticar tudo aquilo que nós construímos juntos nessa caminhada.

Então, o primeiro registro é o Rede Cuidar. Nós vamos de fato, desta vez, fazer políticas públicas combinadas com os órgãos de assistência social, com os conselhos e com todos aqueles parceiros e parcerias que construíram conosco essa concepção.

O segundo registro é justamente essa concepção, nova para o Estado, não para nos. Nós já conhecemos há muito tempo, mas para o Governo é uma grande novidade. O secretário da Fazenda está aqui, vamos dizer assim, dando o testemunho e assegurando o compromisso do orçamento público com esses recursos que nós estamos aportando.

Vamos começar com 10 milhões, depois vamos crescendo à medida em que a Loteria Mineira for expandindo as suas atividades, e o diretor geral está aqui para mostrar que também a Loteria Mineira está empenhada nisso. Parcelas importantes dos recursos da Loteria serão destinadas à assistência social. Isso está consagrado na lei e, partir de agora, com critérios objetivos, não apenas com escolhas aleatórias, com o beneplácito do governante de plantão.

Então esses dois registros são importantes. É uma grande novidade do Governo do Estado de Minas Gerais. Nunca antes na história desse país - uma expressão muito carinhosa, lembrando uma pessoa que a gente gosta muito – tivemos algo parecido. Eu vou encerrar falando dessa pessoa. Nunca antes na história desse estado essa concepção que nós construímos juntos chegou a esse palácio.

Como nunca antes na história do estado tinha entrado aqui o sr. Álvaro, que conversou comigo ali fora. E nem a Dona Amélia, que são nossos amigos lá do Lar Clotilde Martins, no Salgado Filho, e o sr. Álvaro dizia ali para mim que nasceu em Cláudio e já vai fazer 80 anos e nunca antes tinha entrado aqui no Palácio. Então, que seja simbólica para nós a entrada do Palácio desses dois idosos, dois amigos, dois mineiros e mineiras sábios e que nós podemos acolher aqui no Palácio como a gente acolhe nos lares e nas entidades.

O terceiro registro que eu quero fazer, para a gente encerrar, é desse momento que estamos construindo em Minas Gerais, diferentemente de outros estados, enfim, de outros governos, nós temos nos esforçado para construir em Minas Gerais um ambiente de harmonia, um ambiente de convergência, de pacificação, para podermos avançar com as políticas públicas. Então a presença aqui dos deputados estaduais, a presença do vereador Pedro Patrus, a presença aqui na plateia da querida amiga promotora Maria de Lourdes Santa Gema, nossa parceira desde os tempos da Prefeitura de Belo Horizonte, mostra que os poderes constituídos em Minas Gerais estão trabalhando juntos, harmonicamente, sem abrir mão da sua independência. Todos nós sabemos qual é o papel de cada um e tem que ser cumprido, mas independentemente dessa autonomia, dessa soberania dos poderes, nós temos um objetivo comum: nós queremos melhorar a qualidade de vida dos mineiros e das mineiras, especialmente daqueles mais desassistidos.

Uma vez o ex-presidente Lula me disse, muito tempo atrás, uma frase que eu nunca esqueci. Ele disse para mim assim: Pimentel, companheiro, quem precisa de governo são os pobres. Rico não precisa de governo. O rico se vira sozinho. Quem precisa são os desassistidos, os abandonados, os esquecidos, os incapacitados, são eles que precisam de nós. E é para eles que nós temos que governar. Então, aqui hoje, nessa manhã luminosa, estamos praticando aquilo que uma vez o querido companheiro, ex-presidente Lula, me recomendou: governe para os pobres.

Que seja assim, que Deus continue nos iluminando.