Pronunciamento do governador Fernando Pimentel durante entrega das obras de revitalização da rodovia MG-275

  • ícone de compartilhamento
download do áudio

É uma alegria grande estar aqui na manhã de hoje por dois motivos. O primeiro é por estar aqui em Lagoa Dourada, região do Campo das Vertentes, encontrar com os prefeitos presentes, todos eles amigos nossos, com todos os lagoenses. É uma região importantíssima para Minas Gerais porque Minas, na verdade, começou aqui, na região do Campo das Vertentes. A verdadeira emancipação de Minas - isso é importante falar, porque os mais jovens não conhecem muito bem a nossa história -, a verdadeira emancipação de Minas se dá naquele episódio que ficou conhecido como Guerra dos Emboabas, que foi aqui no Campo das Vertentes, onde os mineiros disseram em alto e bom som que esse território aqui pertence aos mineiros, e não a invasores de outras terras. Então - a rivalidade fica de lado, nós não temos mais invasores, graças a Deus - mas o coração de Minas começou a bater forte foi aqui, no Campo das Vertentes. Então, eu tenho um afeto e um carinho muito grandes por essa região, assim como todos os mineiros têm.

Mas alegria também por estar entregando uma obra importantíssima para Minas Gerais. É claro que ela é importante para Carandaí e para Lagoa Dourada, assim como para os municípios vizinhos, como Cipotânea e os outros. Mas ela é importante para o estado, porque é uma ligação que vai beneficiar muito um setor de produção agrícola que é importante não só para a capital, Belo Horizonte, mas para o estado inteiro, que é a produção de hortifrutigranjeiros aqui da região. Eu vinha sobrevoando - e a gente fica sempre encantado com a beleza de Minas Gerais, né? – e aqui, em especial, a gente fica encantado com o trabalho, o empenho e o carinho com que o produtor rural desenvolve a sua atividade e proporciona alimento na mesa dos belo-horizontinos, da Região Metropolitana de Belo Horizonte. E, agora, com essa estrada, nós vamos baratear o custo do transporte, vamos facilitar o transporte das mercadorias, tornar um pouquinho mais fácil a vida do produtor rural. Isso também é motivo de alegria para nós.

É uma obra que, quando nós chegamos ao governo, estava parada. Ela começou no governo passado, mas ficou parada no final do governo passado, eles paralisaram todas as obras, e a gente teve que retomar. Aí, eu quero fazer outro registro: essa obra foi retomada graças à reivindicação da população da região, através de suas lideranças, que se fez ouvir nos Fóruns Regionais de Governo. Daí a importância desse mecanismo de consulta popular que nós implantamos em Minas Gerais e continuamos trabalhando nele, e que faz com que as prioridades de cada região possam ser atendidas, ainda que num contexto de pouco dinheiro.

Vocês sabem disso, o Governo do Estado está enfrentando uma dificuldade financeira imensa, mas está aos poucos rompendo essa dificuldade e atendendo as prioridades, não as prioridades que a gente define lá em Belo Horizonte, mas as prioridades definidas em cada região, pela sua população. Por isso a importância do Fórum Regional de Governo, e essa obra aqui é um dos exemplos de como esse mecanismo pode funcionar bem. A verdadeira democracia é essa, por isso os deputados participam também dos Fóruns Regionais de Governo, os prefeitos, todas as lideranças de todas as regiões do estado e, aos poucos, nós vamos superando as dificuldades.

Por falar em dificuldades, e a gente tem sempre que falar delas, a gente tem que registrar que, apesar desse quadro dificílimo da vida brasileira - o Brasil está enfrentando, com certeza, a maior e mais extensa crise econômica, política, institucional, social da sua história - e nós, em Minas Gerais, não fugimos à crise, também estamos enfrentando uma crise terrível sob todos os pontos de vista. Mas, se a gente observar bem, Minas está se saindo melhor que a maioria dos estados brasileiros nesse difícil momento. E por que?  Porque estamos desenvolvendo aquilo que o mineiro sabe fazer de melhor: trabalho. Trabalho. Minas está trabalhando, dia e noite. Não é só o Governo, eu não estou falando do Governo do Estado. Estou falando dos mineiros e das mineiras que acordam cedo, trincam os dentes e vão trabalhar. É o que eu vejo aqui no Campo das Vertentes, quando vou ao Norte de Minas, quando vou ao Sul, à Zona da Mata, quando vou ao Alto Paranaíba, quando vou ao Triângulo Mineiro... trabalho.

Eu costumo dizer que Minas é o único Estado da federação que tem, na sua denominação de origem, uma profissão. Todos os estados, na denominação de origem, têm sua localidade geográfica. Não é isso? Paulista, nasceu em São Paulo. Carioca, no Rio. O gaúcho, nasceu no Rio Grande do Sul. O pernambucano, em Pernambuco. Nós somos mineiros. Mineiro é quem nasceu em Minas, mas mineiro é, também, uma profissão. Podia ser padeiro, carpinteiro, serralheiro. Não, mineiro, que é quem trabalha nas minas. Então, se alguém já disse que o primeiro nome de Minas é liberdade, eu, humildemente, quero dizer que o segundo é trabalho. E é com trabalho que Minas está enfrentando a crise. Nós, mineiros e mineiras, não estamos enfrentando a crise com lamúrias, com reclamações, com choradeira, escondidos pelos cantos, reclamando da vida. Nos estamos trabalhando, e muito, e Minas Gerais está se saindo melhor do que a maioria dos estados, apesar de a dificuldade financeira aqui ser tão grave quanto a dos outros estados.

Olhem, por exemplo, a situação do Rio de Janeiro e o colapso completo dos serviços públicos daquele estado na área da saúde, da segurança, da educação. Eu li uma manchete que dizia que nos últimos 100 dias as escolas no Rio de Janeiro ficaram fechadas por 90 dias. Em função de conflitos, como bala perdida, tiroteio, enfim, da insegurança que, infelizmente, acontece naquele estado. Então, o Rio, que é um estado forte e poderoso, está completamente dissolvido do ponto de vista da prestação de serviços públicos. Digo isso para mostrar que Minas, com toda dificuldade, está funcionando.

Basta olhar ali atrás e ver as viaturas novas da Polícia Militar que nós entregamos no final do ano passado. Incorporamos, 2.700 novos soldados de 2015 para cá, e mil novos investigadores na Polícia Civil, dando exemplo da segurança, que é uma coisa que preocupa a todos, para mostrar que, mesmo com a dificuldade, com déficit, com dificuldade de arrecadação, Minas está trabalhando, enfrentando a crise e não deixando entrar em colapso nem deixar de funcionar nenhum serviço público essencial.  E é assim que vamos tocar a vida, com trabalho.

Para encerrar, quero falar de uma das principais características de Minas e, para falar dela, recorro sempre a um grande escritor mineiro, João Guimaraes Rosa, autor de “Grande Sertão: Veredas”, de “Sagarana”, de outras obras importantes.

Ele tem um texto antigo no qual fala sobre a mineiridade, sobre essa característica dos mineiros, e ele começa esse texto com uma fase singela que eu gosto muito, e ele diz assim: ‘Minas é a montanha’. O que ele quer dizer com isso? Quer dizer que, ao contrario dos povos litorâneos, dos povos que vivem no litoral, que têm como referência o mar, nós temos a montanha. O mar é imprevisível, às vezes é tempestuoso, calmo, tem dia que ele está brilhante, colorido, azul, verde, tem dia que ele está cinzento.

A montanha, não. A montanha é previsível. Ela está sempre lá, está sólida, permanente, ela está serena, e essa é a característica de Minas: serenidade. Trabalho de um lado, serenidade de outro. E é com muita serenidade que nós, mineiros e mineiras, estamos enfrentando a crise.

Com serenidade para ver o que está acontecendo, saber que tudo isso que está acontecendo vai passar, e dar tempo ao tempo, dar tempo para que as coisas se consolidem, e que não sejamos precipitados em antecipar julgamentos onde sequer as defesas foram feitas - foi feita só a acusação. Ser sereno para avaliar as coisas pelo percurso delas, e não por algum tropeção que algum cidadão ou cidadã sofreu no caminho. Ser sereno para colher os frutos do trabalho, e aí sim, dos mineiros e das mineiras, porque nós estamos construindo o futuro é no dia de hoje.

E é assim que nós estamos enfrentando a crise, com serenidade, com dedicação, com empenho, com trabalho. Minas Gerais é maior do que qualquer dificuldade, do que qualquer crise, e o Brasil também. Nós vamos vencer a crise aqui e no Brasil com trabalho e com serenidade.

Viva Minas Gerais, viva o Brasil!