Pronunciamento do governador Fernando Pimentel durante a solenidade do Dia do Bombeiro e de entrega da Medalha Imperador Pedro II

  • ícone de compartilhamento
download do áudio

Boa tarde a todos e a todas!

Quero deixar aqui meu agradecimento, em nome do Estado e do povo de Minas Gerais, ao Corpo de Bombeiro pelos excelentes serviços que vem prestando à população durante a sua já centenária existência. O Bombeiro Militar vai fazer 106 anos em Minas Gerais. No Brasil, também já são mais de 100 anos. E, nesses 100 anos, os bombeiros e bombeiras conquistaram a simpatia, respeito e admiração de todos os mineiros, pelo seu trabalho, garra, denodo, empenho e heroísmo quando é necessário. Por tudo isso, falando em nome do povo, meu agradecimento. Parabéns pela trajetória. Parabéns também aos agraciados aqui com a medalha Dom Pedro II, condecoração mais nobre que o Bombeiro Militar designa e é sempre escolhida com muito critério, com muita justiça, pelo conselho da medalha. Meus parabéns aos agraciados aqui.

A segunda palavra de hoje é de alegria, de podermos celebrar, nesse ano de tantas dificuldades, de tantas adversidades no nosso país, um clima de harmonia que, em Minas Gerais, está instalado e que tem servido para continuar prestando bons serviços públicos à nossa população, apesar das dificuldades. Temos de reconhecer que Minas, nesse aspecto, tem se comportado melhor, com diferenças marcantes, em relação a outros estados do Brasil. Basta olhar no entorno e ver próximos de nós - e digo isso com muita tristeza - o que acontece no Rio de Janeiro. Nossos irmãos sofrendo com um verdadeiro colapso nos serviços públicos naquele estado. A situação financeira do Rio não é diferente da situação financeira de Minas Gerais. O Rio está em calamidade publica por questões financeiras, assim como o Rio Grande do Sul, assim como Minas Gerais. Mas aqui, com harmonia, com dedicação, graças ao empenho que temos tido no nosso governo, mas também com a valorosa colaboração do poder Legislativo, Judiciário, do Ministério Público, cada um mantendo a sua autonomia, independência, não abrindo mão de suas prerrogativas constitucionais, mas todos juntos irmanados, buscando construir um bem comum em Minas Gerais.

É por isso que, mesmo com déficit, mesmo com dificuldades financeiras, nós temos conseguido avançar. Conseguimos, por exemplo, entregar mais de 200 novas viaturas aos bombeiros de 2015 até hoje, inauguramos uma nova academia em Contagem, que esta contribuindo para a formação de 500 novos integrantes da corporação, que vão terminar em dezembro o curso e vão bem preparados envergar a farda gloriosa do Bombeiro Militar de Minas Gerais. Isso não é fácil. Se nós olharmos no entorno, o restante do Brasil não pode ter a alegria de celebrar esses feitos, que vistos de longe podem até parecer pequenos. ‘Ah, mas isso é pouca coisa, entregar viatura é pouca coisa’. Sim, é pouca coisa para quem está longe, mas, para quem está no interior e precisa de uma viatura nova, seja ela do Bombeiro, da saúde ou da segurança pública, seja da Polícia Militar ou da Civil, é uma entrega importante. O que nós temos feito ao longo desses dois anos e meio de gestão é buscar ouvir as pessoas no estado inteiro, com humildade, com sinceridade e, junto com elas, buscar solução para os seus problemas, ainda que com as enormes dificuldades que todos conhecem, financeiras e orçamentárias. Então, uma palavra de alegria, mais que justa, que a gente pode celebrar nesse momento, de comemoração de mais de 100 anos do CBMMG.

E, por último, uma palavra de esperança. Esperança de que as dificuldades que a gente enfrenta hoje no Brasil, como um todo, possam ser superadas. Que possam ser e serão superadas, se Deus quiser, com aquele exemplo que os mineiros e as mineiras nos dão ao Brasil, cotidianamente. Um exemplo de trabalho, perseverança e serenidade. Eu costumo dizer que a vocação do mineiro é o trabalho. Nós, aqui, desde cedo, estamos acostumados a acordar de manhã, trincar os dentes e trabalhar. Somos um povo trabalhador. Não é por outro motivo que Minas Gerais é o único estado da federação que tem, na sua denominação de origem, uma profissão. Todos têm denominação geográfica. O carioca nasceu no Rio. O gaúcho, no Rio Grande do Sul. O paranaense, no Paraná. O pernambucano, em Pernambuco. Nós não, nós somos mineiros. Não somos padeiros, nem carpinteiros, nem serralheiros, nem marceneiros, somos mineiros. Mineiro é quem nasceu em Minas, mas mineiro, também, é uma profissão, é quem trabalha na mina. E nós somos trabalhadores.

É isso que Minas faz, enfrenta a crise sem choradeira, sem ficar pelos cantos reclamando, sem críticas injustas que não vão a lugar nenhum. É por isso que quando eu vou a Brasília, e tenho que ir muito porque sou o governador do Estado, a coisa que eu mais peço aos ministros, aos integrantes das corporações que lá estão, em Brasília, a todos os que fazem parte do governo federal, o que eu mais peço é uma coisa simples: deixem Minas trabalhar. Se não podem nos ajudar, pelo menos não nos atrapalhem. Porque trabalhar nós sabemos e temos feito isso cotidianamente - e o Bombeiro Militar é um exemplo disso.

E a outra palavra que me dá muita esperança, além do trabalho, a  perseverança, a dedicação do mineiro e da mineira, é a serenidade. Nós, mineiros, somos um povo sereno. O que não quer dizer que sejamos exageradamente cautelosos. Não, somos também corajosos, mas nossa coragem é filha da cautela, porque, senão, seria valentia. Mas nós não somos valentões, somos apenas corajosos e serenos. Gosto de mencionar, e termino dizendo isso, que um grande autor mineiro, João Guimarães Rosa, que aliás foi integrante da Polícia Militar do nosso Estado, em um tempo em que o Bombeiro fazia parte da polícia. Ele tem uma frase que eu acho muito importante que a gente tenha sempre presente. Ele começa um texto lá nos anos 50 falando sobre a mineiridade, com uma frase singela, que começa assim: ‘Minas, o que é? Minas é a montanha’. E o que eles quer dizer com isso? Que, diferentemente daqueles povos que vivem no litoral e que têm o mar como referência, nós temos a montanha como referência. O mar é tempestuoso, ou calmo, é brilhante ou é cinzento. O mar é imprevisível. A montanha não, ela é sólida, permanente, quase eterna. A montanha está sempre lá e ela é serena. E é isso que dá a Minas essa característica de trabalho com serenidade para enfrentar, e vencer, qualquer dificuldade que sobrevenha.

Que seja assim, que Deus nos ilumine e proteja sempre os integrantes do Bombeiro Militar de Minas Gerais.

Parabéns pelo dia de vocês, viva Minas Gerais, viva o Brasil!