Pronunciamento do governador Fernando Pimentel durante a entrega de veículos para a área da Saúde

  • ícone de compartilhamento
download do áudio

Nós temos muito trabalho pela frente. E aqui é uma etapa de trabalho importante. O Governo de estado, com muito esforço, porque vocês sabem que a crise é gravíssima, a nossa crise financeira e orçamentária, mas nós conseguimos destacar um recurso importante para comprar essas 60 caminhonetes, 4X4.

A gente fala assim, mas quem conhece Minas Gerais fala mas, por que o governador está falando 4X4? É porque na maioria dos municípios as cidades as estradas vicinais são de terra e faz muita diferença você ter tração ou não ter tração no veículo que está sendo doado. Nós estamos doando veículos que agora serão extremamente importantes nesse momento que nós estamos enfrentando o aumento, a imprensa diria um recrudescimento, dos índices de Chikungunya e de dengue no estado inteiro. Nós estamos preocupados com isso.

Na semana que vem agora, se Deus quiser nós vamos conseguir fazer os repasses necessários para a vigilância sanitária. Um deles está sendo feito agora, que é a doação dos veículos, mas nós estamos preocupados com o custeio que tem que ser feito. Agora começa o período mais dramático do combate à dengue e à Chikungunya. Nós queremos a volta da chuva, espero que ela volte né? E o Estado está apoiando os municípios nessa tarefa vital para nos.

Quanto eu falo assim eu falo com uma certa tristeza, porque poderiam ser muito mais recursos, muito mais apoio do governo federal, se ele estivesse olhando para nós, para Minas Gerais e para os demais estados da União, com o mesmo carinho que os governadores e os secretários olham e os prefeitos e prefeitas olham para suas cidades e para a população. Infelizmente de Brasília, neste momento, nós não esperamos nada. Não tem vindo nada de lá. Eu só quero e só peço lá em Brasília que não nos atrapalhem.

Já que não estão ajudando, que não nos atrapalhe e deixe a gente cuidar de Minas Gerais com recursos escassos, com as dificuldades que temos, mas com carinho e atenção que temos, estamos sempre voltados para atender os municípios, por isso fizemos os Fóruns Regionais de Governo e recolhemos nos fóruns as prioridades de cada região.

Cito como exemplo aqui o caso de Divinópolis. Foi no Fórum Regional da Região Centro Oeste que a gente recolheu a priorização do apoio ao Hospital São João de Deus, então renovamos o convenio, aumentamos um pouquinho, e está garantido o recurso para o funcionamento do hospital até o final de 2018.

Assim como fizemos lá, fizemos em todas as regiões do estado, ouvindo os prefeitos, as lideranças regionais, de trabalhadores, empresários, lideranças religiosas, para isso servem os fóruns regionais, para saber quais são as reivindicações e junto com cada região selecionar aquelas que são mais importantes. Infelizmente não temos recursos, a realidade é dura, e como ela é dura e cruel ela precisa ser compartilhada com a população. Não podemos mentir e fazer promessas que não serão cumpridas.

Compartilhar com a população o que é preciso fazer primeiro, no caso de Divinópolis o São João de Deus foi um destaque e nós atendemos, além de colocar o SAMU também em funcionamento e aí sim faz uma enorme diferença para melhor no atendimento da região. A mesma coisa posso falar para todas as regiões e um exemplo está aqui.

Quem olha de longe às vezes mal informado fala que o governador está lá entregando umas ambulanciazinhas, umas obrinhas, porque quem olha para Minas e não conhece Minas acha que esse tipo de coisa é desimportante. Mas pergunte em São Joao da Ponte ou em São Joao das Missões se um veículo 4x4 como esse para atender os distritos e as localidades que estão passando dificuldades, que não tem como chegar lá um veículo com um fumacê na caçamba, ou atender para trazer um paciente para a cidade. Pergunta se isso não faz diferença? É claro que faz, faz muita diferença e para melhor.

É isso que nós estamos fazendo no interior. Não estamos fazendo nada grandioso, nada luxuoso. Quem gosta de luxo pode ir na Cidade Administrativa, que não serviu em nada para ajudar a vida do povo de Minas Gerais. Foram R$ 2 bilhões gastos naquele complexo de prédios belíssimos. É bom para a gente ver, porque para trabalhar lá dentro é muito ruim. Pode perguntar a qualquer funcionário público que está lá, ele vai dizer a mesma coisa. Infelizmente foi uma decisão tomada antes de nós, não podemos desfazê-la, vamos conviver com isso, mas não vamos repetir esse erro.

Minas Gerais precisa de investimentos no interior, nos pequenos municípios, nos municípios médios, nas cidades-polo, nos distritos, nos povoados, é isso que nós temos que fazer. É por isso que eu tenho tanto carinho com os prefeitos, com as prefeitas que vêm aqui, eu os recebo com o coração aberto, brinco com eles.

Vocês todos viram aqui como é que a gente se sente bem ao lado desses bravos agentes públicos que são os prefeitos, que são os gestores dos municípios. E os deputados, que percorrem o estado a semana inteira buscando resolver os problemas, ainda que seja muito aquém daquilo que a gente gostaria, porque os recursos são escassos.

Volto a dizer, de Brasília não vem nada, a não ser notícia ruim. Fique assim, vamos tocando assim até 2018, isso vai mudar, nós sabemos que vai mudar. Até lá, Minas Gerais está fazendo o que os mineiros sabem fazer de melhor: enfrentando a crise. Sem lamúria, sem choradeira, sem resignação também. Enfrentando com trabalho, com perseverança.

Acordando todo dia cedo, trincando os dentes e saindo para trabalhar. É isso que o mineiro e a mineira fazem. Chega de noite, agradece a Deus que deu saúde para atravessar o dia, pede bênção para o dia seguinte e vamos em frente. E assim a crise aos poucos vai sendo espantada. Minas está se saindo nessa crise muito melhor que a grande maioria dos estados brasileiros. E isso não é mérito meu, nem do meu governo, é mérito de cada mineiro, de cada mineira, que trabalha dia e noite para melhorar a sua vida, a vida da sua família e a vida de todos.

Então Minas Gerais, com toda dificuldade, está melhor. O Estado funciona, a polícia está na rua, as escolas estão funcionando, os postos de saúde estão funcionando, as prefeituras estão fazendo o seu papel. Claro, podia ser melhor, às vezes atrasa uma verba aqui, outra ali. Nós temos dificuldade às vezes para cumprir a escala de pagamento no dia certo, mas no dia seguinte paga, mas está funcionando.

Não tem colapso dos serviços públicos, como tem no Rio de Janeiro, como teve no Espírito Santo, como está tendo no Rio Grande do Sul, nada disso.  A dificuldade financeira nossa é igual a deles, mas aqui, com trabalho, com perseverança, com harmonia, que é o apoio da Assembleia Legislativa, o apoio do Poder Judiciário, os mineiros estão conseguindo vencer a crise e Deus está nos iluminando.

Vamos continuar nesse caminho. Contem com o Governo do Estado, cada município, cada povoado, cada lugar de Minas é tão importante para nós quanto a capital do Estado. A capital também está sendo beneficiada, ganhou dois veículos aqui e os outros todos que levaram, se Deus quiser esses veículos vão ser muito úteis para melhorara a vida da gente. Bom resto de semana de trabalho para todos vocês, muito obrigada pela presença.