Pronunciamento do governador Fernando Pimentel durante a abertura do Fórum Regional de Governo – Território Noroeste

  • ícone de compartilhamento
download do áudio

Boa tarde a todos e a todas!

Estar perto das pessoas, chegar perto, com humildade, com sinceridade, e ouvir os problemas de cada região, de cada cidadão, e tentar resolvê-los, ainda que com dificuldades.

É para isso que nós implantamos esse modelo dos Fóruns Regionais de Governo, já há dois anos, e com muitas entregas aqui na região. Hoje, por exemplo, nós assinamos aqui alguns despachos importantes e encaminhamos problemas que há muito tempo estavam parados. O Edinho (prefeito), muito esperto, foi lá em Belo Horizonte antes, acertou o que ele queria e chegou aqui e anunciou tudo, mas esqueceu só de uma coisa: nós mandamos uma viatura para reforçar e fazer a patrulha rural. Vão colocar uma guarnição na viatura que está ali prontinha para funcionar, porque a gente sabe que o problema da segurança rural é grave. Está melhorando, mas nós precisamos cuidar disso com muito carinho.

Esse tipo de situação, de problema, de solução, de entrega, a gente só consegue quando chega perto das pessoas, quando sai de Belo Horizonte e vem para o interior, conversa com um por um, quando se está do lado dos prefeitos. A gente recebe os prefeitos lá em Belo Horizonte também, mas é mais difícil. A agenda do governador é muito apertada. Aqui, eu consigo falar com todo mundo, receber, e assim aos poucos nós vamos chegar naquilo que queremos, que é um governo de todos e para todos.

Governo não é para governar só para pouca gente. É para governar para todo mundo e é isso que nós estamos tentando fazer. Com dificuldade financeira, sem dúvida nenhuma, ninguém ignora as dificuldades que temos, mas tomando o máximo de cuidado para equilibrar as contas do Estado sem sacrificar os serviços públicos. É isso que eu acho mais importante. Nós estamos vendo um exemplo contrário disso lá em Brasília. O governo federal querendo fazer ajuste fiscal, ajuste das suas contas, sacrificando a prestação de serviços públicos, e muitos estados estão acompanhando esse modelo - e aí, é um desastre anunciado. É o que estamos vendo em estados grandes, importantes e queridos para nós. Eu falo com tristeza quando dou o exemplo do Rio de Janeiro. É o colapso completo dos serviços públicos na saúde, na segurança pública. É isso que nós não vamos deixar acontecer em Minas Gerais - e não está acontecendo.

 A nossa dificuldade financeira é igual a deles, mas aqui nós não vamos sacrificar o povo de Minas Gerais impondo um ajuste que significa redução da prestação de serviço. Vamos continuar fazendo como já estamos fazendo: ter essa atitude que estamos tendo com os Fóruns de Governo. É ter sinceridade: não tem dinheiro para resolver tudo, então vamos sentar com a população, com as suas lideranças, as lideranças regionais, prefeitos, vereadores, lideranças empresariais, de trabalhadores, religiosas, estudantis. É para isso que serve o Fórum de Governo. Gente, tem pouco dinheiro. Farinha pouca, meu pirão primeiro? Não. Farinha pouca, vamos dividir o pirão. Vamos ver o que é possível fazer, e aí você descobre os problemas. Tem uma ponte ali em cima do rio Verde que falta o encabeçamento dela, já estamos providenciando, o secretário de Obras já está sabendo, vamos fazê-lo. Isso vai beneficiar João Pinheiro, Paracatu.

Então, como é que a gente descobre isso se a gente não está perto das pessoas? Como que nós vamos descobrir que está precisando de um veículo para a patrulha rural? Como é que nós vamos descobrir que em Natalândia a escola agrícola precisa do nosso apoio? Nós temos que estar perto e ter humildade, sinceridade e priorizar os problemas, e é o que o prefeito faz. No fundo, o governador é um grande prefeito. É isso que ele de que fazer: priorizar os problemas de acordo com as demandas da população. Nós temos vários problemas. Tem estrada para asfaltar, tem o posto de saúde para equipar, tem escola para reformar. Só dá para resolver um de cada vez, e qual nós vamos fazer primeiro? A população escolhe e nós vamos lá e vamos começar a resolver.

E assim, com sinceridade, humildade e com transparência nós vamos governando o Estado do jeito que Deus é servido, o povo quer e a gente faz.  Eu acho que Minas está dando um exemplo para o Brasil. É um exemplo cauteloso, como nós mineiros somos, mas é um exemplo para o Brasil. Para enfrentar a crise que esse país está enfrentando, a maior da história do país, crise econômica, política, social, institucional, só tem uma saída, que é o trabalho. É o que nós sabemos fazer de melhor. O trabalho é a solução para os nossos problemas.

E o outro exemplo de Minas é a serenidade. É aquilo que Minas tem mostrado: o entendimento harmonioso entre a Assembleia Legislativa, o governo do Estado, o Poder Judiciário. Cada um tem o seu papel de fiscalizar, de legislar, de executar, mas é preciso que tenha harmonia entre os Poderes. Às vezes, eu acho que é o que está faltando hoje no Brasil. Dificuldades nós temos muitas, críticas, acusações, isso tem toda hora. Calúnia é o que mais tem. Nós não esmorecemos. Continuamos trabalhando. Vamos vencer essa crise e estamos vencendo.

Obrigado a todos e a todas!